.comment-link {margin-left:.6em;}

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

A Europa na Nato


"O chanceler alemão causara sábado alguma controvérsia ao preconizar uma reforma em profundidade das estruturas da cooperação transatlântica, e ao sublinhar que a NATO «já não é o local principal onde os parceiros transatlânticos discutem e coordenam as suas estratégias»."

"A sua proposta de criar um painel de alto nível para reflectir a reforma destas estruturas foi acolhida com alguma frieza, nomeadamente pelo secretário da Defesa norte-americano, Donald Rumsfeld, e pelo secretário-geral da NATO, o holandês Jaap de Hoop Scheffer."

"«Tenho a firme impressão que tanto na NATO como nas relações transatlânticas (...) existe um interesse crescente em desenvolver o diálogo transatlântico e em conseguir que repouse em fundações sólidas«, indica Schroeder. "


«Isso significa também que temos mais a dizer nas decisões que forem tomadas», notou."


Mais uma vez, a questão da NATO e a sua importância a dividir Federalistas e Atlantistas ....
Independentemente de tudo, a PESC, não morre. Apenas é posta em stand-by, à espera de conjunturas mais favoráveis, ao seu desenvolvimento e consolidação...
Na querra do Iraque, foi posta na gaveta (um passo atrás), e agora, em conjuntura mais favorável, através da NATO e da sua redefinição, tenta-se consagrar uma visão europeia em termos de Política Externa (tenta-se dar dois passos à frente).
A União Europeia é baseada, desde sempre, em processos de "dar um passo atrás, para dar dois à frente".
Na minha opinião, apesar de ser, porventura, um dos dossiers mais complexos da Integração Europeia, a PESC, tem vindo a ser aplicada (com avançoes e recuos) nos últimos anos ...
Não considero que o processo seja fácil, mas considero-o quase irreversível ...
A aspiração de Gerhard Schroeder "Isso significa também que temos mais a dizer nas decisões que forem tomadas", não é mais do que a aspiração e aplicação da PESC.

Curiosamente :

"O chanceler Gerhard Schroeder recebeu o apoio do principal especialista em defesa da oposição conservadora, CDU, à proposta de reforma da NATO que fez sábado na Conferência de Segurança de Munique.Volker Ruehe, presidente da Comissão parlamentos dos Negócios Estrangeiros e ex-ministro da Defesa do chanceler Kohl, declarou que "o potencial [da NATO] não é completamente usado" quando há "atitudes de cavaleiro solitário por parte de certos Estados". Schroeder formaliza as suas ideias na cimeira aliada de Bruxelas, a 22."

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home